Yakuza é uma franquia de extremo sucesso no Japão e que vem ganhando seu espaço e conquistando o coração dos fãs ocidentais. Ainda sim, tem gente que não conhece ou só nunca jogou por conta de comentários de algumas pessoas. Estamos aqui para mudar isso e te convencer a dar uma chance à franquia Yakuza (ou Like a Dragon).

Para quem não conhece a franquia, a sua principal proposta é de te colocar em um mundo aberto menor que os tradicionais, porém rico em vida, cheio de atividades e acontecimentos, e uma história incrível que mescla drama, ação e comédia oriental.

É bom deixar claro aqui que vou ser o mais vago possível sobre a história. Não quero dar nenhum spoiler, já que esse artigo é focado em quem está pensando em entrar de cabeça na franquia.

O lançamento conturbado da franquia no ocidente

A gloriosa saga de Kiryu começou com um desejo de Toshihiro Nagoshi de criar algo diferente dos jogos voltados para o público infanto-juvenil que saíam aos montes no

Japão. O seu objetivo era focar nos jogadores japoneses que envelheceram e queriam jogar algo mais maduro.

No lançamento, ele foi um grande sucesso na terra do sol nascente, e isso fez com que a Sega crescesse os olhos e lançasse ele no ocidente com um marketing pesado, com direito até Mark Hamill dublando o personagem Goro Majima. O problema foi que eles venderam o jogo como um GTA japonês e o trabalho de localização ficou péssimo.

Todas essas decisões ruins da SEGA fez com que o primeiro capítulo da jornada do Dragão de Dojima fosse um fracasso em terras estrangeiras. Com esse resultado, os jogos da franquia demoram muito a sair aqui no ocidente e demorou vários anos até que um outro Yakuza fosse dublado em inglês.

Os primeiros jogos no PS2

A franquia fez sua estreia em 2005 no Japão e em 2006 no ocidente. Ele já trazia os seus principais pilares e apresentava o amado distrito de Kamurocho, que é inspirado no distrito real de Tokyo chamado Kabukicho. A semelhança é tão grande que se você souber andar em Kamurocho dificilmente se perderá em Kabukicho.

Ainda que seu combate não fosse uma maravilha, ele era funcional e não te atrapalhava a se divertir e se emocionar com a sua história incrível. Ainda sim, foi lá que vimos pela primeira vez os tradicionais heat actions (que são o finalizadores violentos e algumas das vezes cômicos).

As famosas substories deram a cara pela primeira vez aqui também. Elas são histórias curtas que ajudam a dar mais vida à cidade. A maioria delas te faz rolar de rir, como a dos caras que te cobram dinheiro por conta de um esbarrão  e da mulher que te pede ajuda para se defender de um bêbado.

Um dos seus maiores problemas foi a escolha da câmera fixa, porém felizmente durante as lutas você tem liberdade de girar a câmera. Mesmo o combate sendo um pouquinho ruim, você se diverte e ele vai ficando melhor conforme você vai ganhando novos golpes e heat actions. A cereja da pancadaria é você pode pegar objetos no chão para bater em inimigos no maior estilo beat em up clássico.

Uma característica da franquia que também nasceu aqui foi os hostess clubs, os estabelecimentos que existem no Japão e são muito populares em Kabukicho, em que pessoas pagam para uma mulher fazer companhia a elas nas mesas. Elas conversam e ficam incentivando o cliente a comprar bebida, e logicamente ganham uma comissão pelos itens comprados.

Para retratar todo o ambiente desses estabelecimentos, Toshihiro Nagoshi e alguns desenvolvedores foram para esses clubes conhecer como eles funcionam. Tudo custeado pela SEGA. E sim, você fica batendo papo com as garotas e a cada roda de conversa você deve comprar mais coisas. Valeu a pena o sacrifício do Nagoshi.

Yakuza 2, lançado em 2006 Japão e em 2008 no ocidente, é construído usando a base do primeiro, só com uma pequenas mudanças e a adição de Sotenbori, distrito inspirado em Dotonbori em Osaka.

Yakuza 3

Lançado em 2009 no Japão e em 2010 no ocidente, Yakuza 3 é o patinho feio da turma. Ele tem uma ótima história e foi um ponto evolutivo na franquia com uma câmera livre nos ambientes e maior interação com o mundo. O seu ponto negativo é o combate, para ser mais preciso, os inimigos. Todos eles tem uma defesa quase perfeita, te obrigando a ter mais paciência que nos jogos anteriores. Isso não torna o material todo ruim, mas não deixa de ser um ponto negativo, já que isso quebra um pouco o ritmo das lutas.

Mesmo sendo o mais odiado entre alguns fãs, ele foi responsável por introduzir o amado Karaoke.

Yakuza 4

Já em Yakuza 4, lançado em 2010 no Japão e em 2011 no ocidente, esse problema dos inimigos defendendo tudo foi resolvido. O combate aqui é mais rápido, mas o seu grande diferencial é o fato de jogarmos com 4 personagens. Cada um desses personagens tem seu arco e estilos de luta bem distintos. 

Yakuza 5

Yakuza 5, que foi lançado em 2012 no Japão e em 2015 ocidente, manteve um pouco da base de do anterior e expandiu,  com destaque na melhoria do combate. Agora são 5 personagens jogáveis e temos até Virtua Fighter 2 totalmente jogável nas casas de arcade. Vale dizer também que ele marca a primeira aparição da música “Baka Mitai”, que é muito conhecida entre os fãs  e chegou a virar meme.

Yakuza 0

Agora vamos retroceder e ir para Kamurocho em Sotenbori  de 1989, com Kiryu e Majima mais jovens. Lançado em 2015 no Japão e em 2018 no ocidente, Yakuza 0 é um prequel que mostra o passado de muitos personagens importantes da franquia. Temos mais jogos de arcades da Sega aqui, porém são grandes clássicos  dos anos 80, como Out Run. Sem contar que existem várias atividades no mapa, como competições de autorama.

O destaque de Yakuza 0 é seu combate, que agora tem vários estilos de combates que você selecionar no meio da luta, mecânica que apareceu primeiro em Yakuza Ishin (Ryu Ga Gotoku Ishin), que só foi lançado no Japão, mas vai ganhar um remake com lançamento para o mundo todo.

Yakuza Kiwami

A ótima estrutura do elogiadíssimo Yakuza 0 foi usada na criação do remake do primeiro jogo da franquia. Yakuza Kiwami, lançado em janeiro de 2016  no Japão e em 2017 no ocidente, amplia tudo que foi mostrado em termos de gameplay no 0, e em termos de enredo, ele não se limita apenas em recontar a história do jogo de 2005.

Yakuza 6

Agora chegamos ao último jogo do arco de Kiryu. Yakuza 6 foi lançado em dezembro de 2016 em 2018 para o resto do mundo. Ele reinventou o combate mais dinâmico e com um maior nível de exploração do mundo. A palavra que melhor define Yakuza 6 é “fluidez”. Ele também representou um grande salto gráfico para a franquia com a Dragon Engine.

Yakuza Kiwami 2

A Ryu Ga Gotoku Studios aproveitou a base de Yakuza 6 para fazer Kiwami 2. Ele foi lançado em 2017 no Japão e em 2018 no ocidente. Ele tem sim seus pontos de evolução comparados com o sexto capítulo da franquia, mas a estrutura é a mesma. Assim como no Kiwami 1, ele não se limita a recontar os acontecimentos do segundo jogo e expande alguns trechos da história.

Yakuza like a Dragon

Yakuza Like a Dragon foi lançado no Japão com o nome “Ryu Ga Gotoku 7” em 2020 e em 2021 no resto do mundo. Além de dar início a troca de nome do jogo aqui no ocidente, ele também marcou a mudança de beat in up para RPG de turno.

A mudança foi radical, mas foi muito bem feita. Yakuza Like a Dragon é um ótimo RPG de turno, tanto para novatos quanto para iniciantes. Ele expande a níveis astronômicos a exploração de mundo.

Por onde começar

Agora que já apresentamos todos os jogos principais, vamos ao ponto mais importante que é “a onde começar”. Embora muita gente fale que é melhor começar pelo Kiwami, acredito que a melhor forma de começar na franquia é pelo 0.

Após terminar Yakuza 0, você irá se familiarizar com rostos presentes no primeiro jogo e faz com que o impacto dos acontecimentos seja muito mais forte.

Onde jogar?

Antes a franquia Yakuza era exclusiva dos consoles da Sony, mas agora você pode jogar todos os jogos principais (menos os dois primeiros) nas principais plataformas, menos no Switch. Além disso, você encontra todos no Xbox Game Pass e alguns na PlayStation Plus Extra.

Olhando para o Futuro

A Franquia continua forte e temos mais três jogos até 2024. Já em 2023 temos Like a Dragon Ishin, marcando oficialmente a mudança de nome da franquia. Essa versão será lançada para o mundo todo. Ainda em 2023 temos Like a Dragon Gaiden: The Man Who Erased His Name, e em 2024 teremos Like a Dragon 8.

Temos muito Yakuza, ou Like a Dragon, pela frente então se você está interessado em conhecer a franquia é bom começar logo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s