Por Ronald Junior

Em um período onde a Ninja Theory, hoje conhecida pelo seu trabalho em DMC Devil May Cry e Hellblade, buscava seu espaço na indústria, eles decidiram criar uma continuação de Heavenly Sword, seu jogo mais relevante na época.

Por conta de problemas com a Sony, que é a dona da IP, o estúdio abandonou o projeto e decidiu criar uma animação em CGI. O projeto foi mostrado para alguns produtores mas a ideia foi recusada. Então decidiram transformar essa animação em um game, dessa vez com a Bandai Nanco como publicadora.

Enslaved: Odyssey to the West é uma releitura do popular romance chinês, A Jornada para o Oeste, que foi quem inspirou Dragon Ball. Diferente do ambiente mítico chinês, temos um mundo futurista devastado por uma guerra e repleto de máquinas, que aqui são chamados de mecha.

No lugar do brincalhão Rei Macaco temos o brucuto criado nas florestas chamado apenas de Monkey. A sua arma continua sendo um bastão, com a diferença que aqui ele é tecnológico e pode até efetuar disparos. Na sua calça tem um tecido que faz referência a calda de macaco e até mesmo a nuvem voadora está presente aqui.

Ao nosso lado na jornada e também peça vital na gameplay temos Trip, uma hacker que somos obrigados a proteger. Embora tenhamos que ser seu guarda-costas, ela tem sua utilidade durante a aventura, não chegando a ser um peso morto.

Embora tenha se tornado um game, o DNA cinematográfico ainda se manteve firme forte graças a presença do escritor, roteirista e diretor, Alex Garland, que tem em seu currículo o roteiro do filme do Juuz Dreed (2012) Extermínio (2002) e dirgiu Ex-machina (2015).

Garland inicialmente estava envolvido somente com a história, mas seu interesse foi tão grande pelo projeto que ele se envolveu até supervisionando a parte do designe. Ele queria que a história e a gameplay trabalhassem em sintonia.

Uma curiosidade interessante sobre Garland é que ele supervisionou a história de DMC: Devil May Cry.

Para completar, a Ninja Theory contou novamente com a participação de Andy Serkis, o grande mestre das capturas de movimentos, responsável pelos papéis de: o próprio King Kong no reboot de 2005, Smeagle/Gollum em Senhor dos Aneis e Hobbits, e Cesar no reboot de Planeta dos Macacos. Ele também é o Ulysses Klaue (Garra Sônica) do universo cinematográfico da Marvel e também o Alfred do Batman de Robert Peterson. Com a Ninja Theory, o ator foi responsável pela captura de movimento e dar voz ao Rei Boham em Heavenly Sword.

Em Enslaved, Serkis dá vida a Monkey, sendo sua voz e responsável pela sua captura de movimento. Ele também tem outro papel dentro da história, mas eu vou deixar para os curiosos que querem jogar descobrirem sozinhos.

Gameplay sem sal

Pelos nomes envolvidos na produção e pelo que o game deveria ser originalmente, da para perceber que sua essência provém dos cinemas. Enslaved foi feito para ser uma experiência de cinema em suas mãos, e faz isso com maestria em alguns pontos, mas se perde na mediocridade em sua gameplay.

Nos momentos iniciais, onde Mokey está fugindo de um avião e somos introduzidos as mecânicas padrões de combate e de plataformas, já pode se notar que boa parte da jornada vai ser cansativa.

A Ninja Theory é reconhecida por criar mecânicas de combate maravilhosas. Você pode até não gostar da história de DMC, mas não dá para negar que ele é um hack and slash espetacular. As batalhas de Hellblade, mesmo simples, são magníficas. Já os confrontos de Enslaved são sem vida e repetitivos.

O que dá vida a um combate em um game é um bom ritmo. Independente se ele é mais lento ou mais frenético, se você e os inimigos tiverem as ferramentas certas, os confrontos te deixarão vidrado. A diversidade de inimigos e como eles aparecem no campo de batalha contribuem para acrescentar mais dinamismo as lutas. É isso que um jogo com bom combate faz, foi um dos quesitos que credenciou a Ninja Theory. Mas parece que a obsessão do estúdio por criar uma aventura cinematográfica acabou prejudicando esse ponto.

Garland queria que cada confronto com os mechas fossem únicos como em um filme, tendo o seu momento certo para acontecer. Eu não sei o quanto ele interferiu nos movimentos do protagonista e nos inimigos para trazer esse ar mais hollywoodiano, mas no produto final jogamos com um personagem com pouquíssimas ferramentas interessantes e oponentes sem graça.

São inúmeras coisas que poderiam ser feitas com um personagem com habilidades acrobáticas como Monkey, mas eles optaram por deixar o personagem engessado na hora das lutas.

O combate é tão ruim que nem os upgrades acrescentam em nada para melhorar o ritmo.

Se no “mano a mano” Enslavedé ruim, imagina como shooter? O bastão do protagonista também pode ser usado para efetuar disparos que causam dano ou atordoa os inimigos. Me desculpe por falar assim, mas é grotesco os trechos onde você é obrigado a usar esses disparos. Esse foi um recurso desnecessário e poderia muito bem ficar de fora do produto final.

Acrobacia sem vida

Monkey pode pular em plataformas, se pendura em determinados objetos, mas é tudo de forma automática. Não existe perigo de calcular mal um salto. Se é para você chegar em tal lugar, mesmo que pareça desafiador, é só apertar um botão que ele irá para o local sem te oferecer um mínimo de emoção.

Isso faz todos os trechos onde o protagonista usa todas as suas habilidades acrobáticas um verdadeiro tédio.

Para piorar, você está amarrado a Trip. Graças ao objeto que ela pois na cabeça do protagonista no início, se ele se afastar, é morte. Nada de tentar voltar um pouco para pegar uma orb que você esqueceu para evoluir o personagem.

Pelo menos ela serve para te ajudar contra inimigos armados usando um holograma para eles tirarem o foco de você.

Agora que já detonei boa parte da gameplay, tenho que deixar um elogio a jogabilidade com a nuvem. Os trechos onde você usa esse recurso para surfar pelo ambiente são os mais divertidos. Pelo menos eles acertaram nesse ponto.

Erra feio na Gamplay, mas acerta em cheio na história

Já está bem claro que a gameplay definitivamente não é o forte de Enslaved, porém eu tenho que admitir que a história dele é espetacular. Ela é tão boa que me fez engolir a seco todos os problemas citados só para ver sua conclusão, e valeu a pena.

A história gira entorno de Trip e seu grande desejo de retornar ao seu lar, ao ponto de colocar um dispositivo na cabeça de Monkey, o forçando à colaborar. Conforme progredimos, conhecemos melhor os personagens e sua relação vai evoluindo de forma orgânica.

Não irei me aprofundar em detalhes sobre a história. Mesmo ele sendo um jogo de 2010, ainda tem gente que nunca jogou, eu mesmo fui jogar esse ano. Mesmo a gameplay não sendo boa, o seu enredo compensa as horas dedicadas.

Vale destacar aqui também o belo trabalho de dublagem que ficou incrível, mas uma vez destacando o trabalho de Serkis que é um ótimo artista, tanto atuando, dublando ou emprestando seus movimentos.

Veredito

Enslaved: Odyssey to the West daria um ótimo filme, mas infelizmente ele é um jogo, e se não fosse a história, ele seria mais um game medíocres para se deixar de lado. Se você gosta de uma boa história e não liga muito para gameplay, esse jogo é para você, porém se apenas curti um bom enredo, mas não está a fim de sujar as mãos, o Youtube está aí para te ajudar.

Avaliação: 2.5 de 5.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s